19 de jan de 2012

Postagem Especial de Aniversário - Conto Ilustrado - In Limbo

Olá amigos!

Hoje, 19 de janeiro, é uma data especial: o blog comemora um ano! (lembram-se da primeira postagem? Nem parece que faz um ano xD)
Em comemoração, teremos um post especial hoje: um conto ilustrado!
As ilustrações foram feitas pelo meu grande amigo, o Jeff (se vocês gostarem dos desenhos e quiserem fazer contato com ele, façam atrás do e-mail meeks.wolowitz@gmail.com): aliás, a ideia do tema central do texto foi dele. Esse é um projeto completamente duplo: fizemos, montamos e organizamos tudo juntos, até o título.
Então, espero que gostem do trabalho! Leiam, apreciem as ilustrações e comentem! :-)

In Limbo                                                                            Um Projeto Estranho Arquitetado por Duas Mentes Insanas
Ela abriu os olhos novamente, piscando-os rapidamente para que pudesse acordar do sonho que havia tido.
Sonho estranho, aliás, porém não incomum; já não era a primeira vez que sonhava com aquilo. Sua mãe chorando, seu namorado desesperado, e todos falando nela e querendo saber onde ela estava. E ela estava ao lado deles, que não conseguiam lhe ouvir. Era desesperador.
Após abrir os olhos, ela notou que não estava em casa, mas que não conseguia lembrar exatamente onde estava; tentou andar mais um pouco para ir para casa.
Estava fazendo frio, ela podia ver pela quantidade de pessoas com casacos pesados, porém ela não sentia frio algum. Enquanto estranhava isso, ela notou um rosto familiar à distância: seu namorado.
Ela apressou o passo e correu em sua direção, tentando abordá-lo: mas para sua surpresa, ele ignorou-a completamente. Ela tentou novamente falar com ele, que parecia tão triste e desconsolado! Mas sua única resposta foi o silêncio e ele indo para outro lugar.
Aquilo a deixou realmente magoada; eles sempre tinham brigas, mas não era comum ele ignorá-la desse jeito. Ficou tão chateada que nem percebeu que estava parada no meio da pista, e só notou quando uma moto veio em sua direção e passou por cima de seu pé; ela gritou por reflexo, mas em seguida, constatou que não sentira nada.

Foi nesse momento que ela viu que sim, havia algo de muito errado. Tentou se lembrar de onde estava no dia anterior, ou a semana anterior, e nada.
Um nó se formou em sua garganta, e ela deu meia volta, correndo de volta para o local onde acordara com um forte mau pressentimento se apoderando de si.
Como não se afastara muito, logo chegou, e saiu procurando por alguma coisa familiar; era tudo muito estranho. Um matagal sombrio, imenso e cheio de bichos. Foi entrando cada vez mais, até que notou algo embaixo de uma árvore que a fez estacar imediatamente.
Ela estava lá. Seu corpo estava lá.

Ela achou que estava ficando louca, porém correu na direção, e ao chegar perto, não tinha mais como duvidar; estava morta, e seu corpo estava lá.
Ajoelhou-se ao lado de si mesma, observando-a com choque; havia moscas em seu corpo, e outros bichos; sua pele já aparentava um tom azulado, havia diversos arranhões vermelhos em seu corpo e um corte enorme em sua barriga.
A causa da sua morte.
Então, ela se lembrou; se lembrou da discussão, de sair de casa no meio da noite querendo sumir do mundo, lembrou-se de parar naquele lugar tão estranho; lembrou-se de ser abordada, de ser espancada, de ser esfaqueada. Lembrou-se de ser morta.

E o pior é que sua essência continuava. Se tudo houvesse acabado seria melhor, mas de alguma forma, ela ainda existia.
Quando se deu conta, ela estava chorando desesperadamente, o que era estranho, chorar naquelas condições; tocou seu corpo, seus cabelos, suas pernas e continuou a chorar, cada vez mais.
Após cansar de chorar, ela sentou-se ao lado do seu corpo, pensando no que faria. Pensou tanto, que de alguma forma, perdeu a consciência.
******************************
Ao abrir os olhos dessa vez, ela lembrava-se que já não existia da forma como costumava existir; tanto que, só abriu os olhos por conta do barulho.
Vozes, sirenes, latidos de cachorro.
Ah, então finalmente recuperariam seu corpo.
******************************
Estar em seu próprio enterro era provavelmente a coisa mais estranha que ela já fizera.  E era tão sinistro e triste quanto podia imaginar.
As piores coisas foram ver o rosto de seu namorado, de sua mãe, de sua melhor amiga e seu pai; eram tão tristes, e tudo que ela queria gritar era “Eu estou bem aqui!”
Mas não importa quão alto ela gritasse: ninguém iria lhe ouvir. E o pensamento de que, não importava quanto eles estivessem sofrendo, logo todos se acostumariam a viver sem ela também doía. Quem disse que os mortos não podem sentir dor?
Após todos irem embora, ela sentou-se sobre uma lápide próxima de seu túmulo e ficou lá, sozinha. Após alguns minutos, seu namorado voltou e sentou-se em seu túmulo, sem, obviamente, saber que ela estava tão perto.

E ele começou a conversar com ela. Aquilo doeu, mais do que qualquer coisa, e ela queria tapar os ouvidos e gritar para que ele parasse, mas não adiantaria. E nada a impediu de ouvir ele dizer: 
- E eu vou continuar com minha vida, vou ter outras pessoas, talvez, mas eu nunca vou conseguir te esquecer. Por que você tinha que morrer?
E começou a chorar em seguida; e ela também.
Difícil dizer qual dos dois estava mais desesperado.
******************************
Depois que, definitivamente, todos foram embora, ela andou pelas ruas, por tudo, só pensando no que era a vida nesse novo estado.
Após tanto andar, tanto observar pessoas, um olhar lhe foi retribuído; alguém a viu.
Não era, afinal , a única morta do mundo; agora, já tinha ao menos uma informação para começar. Ou recomeçar, conforme ela concluiu, andando na direção do outro morto.

Fim 
P.S: se você gostou do conto e quiser postá-lo em algum lugar, fico lisonjeada. MAS antes disso, fale comigo e/ou com o meu parceiro artístico, o Jeff, e quando eu e/ou ele liberar, poste os créditos, ou teremos problemas.