6 de jul de 2011

Fanfic - Crônicas Vampirescas (Lestat/Gabrielle) - How Soon Is Now? (Gen)

Olá pessoas =D

Uma postagem diferente da habitual: aqui teremos uma fanfic.

Breve explicação para quem não sabe o que é: Fanfic é a abreviação do termo em inglês fan fiction, ou seja, "ficção criada por fãs". Trata-se de contos ou romances escritos por terceiros, não fazendo parte do enredo oficial do livro, filme, animes ou história em quadrinhos a que faz referência.

E pra quem se perguntou o que é gen, é um gênero de fanfic que quer dizer que, basicamente, a história não trata de nenhum ship (casal) específico, e aborda outros temas que não romance. =]

Essa fanfic é baseadas na série de livros intitulada Crônicas Vampirescas, escritas por Anne Rice. Sabe Entrevista com o Vampiro? Pois é.

Essa, especificamente, se passa após o final do livro "A Rainha dos Condenados", e antes do livro "A História do Ladrão de Corpos". Fala do Lestat de Lioncourt e da Gabrielle de Lioncourt, mamãe do rapaz.

Isso aí, aproveitem!

How Soon Is Now?

Ilha da noite.

Ah, bela e iluminada, como sempre. Fervilhando de mortais belos e suculentos, como sempre. E nós ainda vagávamos por aquela procissão de corpos quentes, roubando a vida de um ou de outro, como sempre.

Porém eu sabia que aquela dádiva, calma e previsível, não seria eterna como nós. Na verdade já começava a ruir; cada vez mais os vampiros se afastavam. Marius desaparecia por semanas, e Khayman já pareciam ter voltado a sua rotina de peregrinação. Mesmo Armand e Daniel afastavam-se por longos tempos. E Louis, meu Louis, ainda estava comigo, mas eu sentia-o cada vez mais distante.

E eu sabia que veria todos os outros, e sabia que não podia ficar tantas noites distantes de Louis. Mas ela... ela me assustava. Eu sabia que ela cairia no mundo, e eu teria sorte se a visse novamente até o fim do milênio.

E era nisso que eu pensava quando a avistei; minha mãe, minha filha, os longos cabelos louros presos na trança, e as roupas de menino explorador. Linda, como sempre, em uma das sacadas da casa, observando as ondas do mar que batiam nos rochedos.

Aproximei-me e fiquei ao seu lado, mantendo o silêncio. Ela só olhou para o lado ligeiramente, como para demonstrar que me vira chegar.

Após passarmos longos minutos assim, ela virou-se e me disse:

- Lestat, você sabe que está na hora, não sabe?

Não respondi.

- Você sabe que eu preciso disso, Lestat.

- Mãe... – eu comecei – as coisas são diferentes agora. A época é outra, as circunstâncias são outras...

- Mas eu ainda sou a mesma, querido. – ela sorriu brevemente – E eu não consigo ficar tanto tempo parada 
em lugar.

- No começo, eu achei que poderia durar nossa sociedade...

- Era irrealizável, meu filho, e no fundo você sempre soube disso. Sempre soube que nós, imortais, somos uma classe desunida demais para manter-se perto uns dos outros por tanto tempo.

- Mas Gabrielle – eu protestei – todos os outros ainda se manterão por perto. Você vai sumir 
completamente no mundo, de novo, sem eu sequer saber se você continuará viva...

- Lestat – ela me interrompeu delicadamente, seus frios olhos me encarando com carinho – Os esclarecimentos e as experiências que a natureza me dá são únicos, e são tão necessário pra mim quanto o calor e o amor dos humanos são necessário pra você.

- Gabrielle...

- E eu continuarei viva –ela disse, colocando as mãos no meu rosto – por muito e muito tempo.

- Você não gosta daqui? – eu sabia que estava parecendo uma criança, e mais do que tudo, odiava isso. 
Odiava parecer novamente uma criança, implorando por sua atenção, como há tantos séculos atrás eu fiz.

- É claro que eu gosto – ela disse – e eu gosto da companhia de quase todos aqui, sobretudo a sua, meu filho. São experiências que sempre irei guardar. Mas eu preciso continuar...

- E eu te verei de novo? – eu sabia que a qualquer momento começaria a chorar, e odiava isso também.

- Querido, é claro que vai – ela me abraçou como costumávamos nos abraçar nas ruas de Paris, em 
nossas primeiras noites de imortalidade. Apertei meus braços em torno dela, sem exercer muita força, pois 
ainda tinha certo medo dos meus poderes. Mas abracei-a, sentindo seu corpo firme, no momento quente, contra mim. Tão estranhamente familiar. – Não posso dizer quando Lestat, mas é claro que você nós nos veremos de novo.

Quando ela falou isso, eu percebi que sua voz tremeu um pouco, e olhei-a, vendo um fio de sangue escorrer de seus olhos. A essa altura, eu não tentava controlar mais as lágrimas que saiam de mim.

- Gabrielle... – afundei meu rosto em seu pescoço.

- Eu preciso ir, Lestat. – ela disse, quando levantei meu rosto, e tocamos nossos lábios, em um beijo que amantes poderiam dividir – Eu te amo, meu filho.

- Minha marquesa... – sussurrei contra seu pescoço, quando a abracei por uma última vez.

Ela gentilmente se soltou, e me olhou uma última vez. Em seguida, desapareceu, e eu sabia que não a veria 
novamente tão cedo.

Deixei que as lágrimas caíssem um pouco mais, e observei o mar com reverência. Fora tão doloroso me separar dela como fora da primeira vez.

Mas agora tudo era diferente. A única mudança não realizada éramos nós mesmos.

E eu ainda teria minha marquesa novamente em meus braços.

Fim


P.S: se você gostou da fanfic e quiser postá-la em algum lugar, fico lisonjeada. MAS antes disso, fale comigo e quando eu liberar, poste os créditos, ou teremos problemas.

5 comentários:

  1. Muito fofo *-*
    Triste também. Eu sei como o Lestat ama a Gabrielle e a quer ter por perto, mas também entendo que ela tem suas necessidades .-.
    Está ótimo amiga, parabéns <3

    ResponderExcluir
  2. Oin, que lindo, Bruna *-*
    Imagino que tenha sido exatamente assim a despedida deles D:

    Está ótimo amiga, parabéns [2]

    ResponderExcluir
  3. Uau muito bom.
    Pena que gabriele não passe tanto tempo perto do Lestat, para sabermos mais sobre ela.

    ResponderExcluir
  4. Não conheço a maioria dos personagens, mas gostei bastante, parabéns. :)

    ResponderExcluir
  5. =

    Po mew, não imagino despedida melhor pra eles dois Ç__Ç eles se amam tanto... mas a Gabrielle é fdp demais pra sussegar o faxo >_>

    Ainda me espanta ( não sei pq ) a facilidade que tu tem de desenvolver textos cara. Me ensina ...please hehhe

    Está excelente minha flor! SZ

    ResponderExcluir