7 de fev de 2012

Conto - Losing My Religion


Olá a todos!
Venho hoje com um novo conto, intitulado "Losing My Religion". Sim, o nome vem da música do R.E.M. Recomendo ouvir quando ler; podem baixar/ouvir pelo 4shared ou pelo Youtube.
Quero comentários assim que lerem... boa leitura!

Losing My Religion

Edgar sempre fora, desde criança, uma alma voltada para Deus.

Uma de suas primeiras recordações era de, por volta de seus cinco anos, sua mãe levando-o à uma igreja. Lembrava-se de ter ficado fascinado pelas cores e formas da catedral em estilo gótico, pelos rostos sérios e pelas imagens dos santos. E o que mais lhe chamara a atenção era o rosto do Cristo em um imenso crucifixo de madeira, em cima do altar. Assustara-lhe, e ao mesmo tempo, lhe fascinara.

Em sua afobação infantil, não comentara com sua mãe o quão fascinante o lugar havia sido; mas por semanas a fio, não esquecera-se dos rostos inatingíveis e austeros dos santos.

________________________________

Edgar gostava do cheiro de flores e de velas. Especialmente de velas.

Sua mãe não era uma católica assídua: ensinou-lhe a ler a bíblia e acreditar em Deus, lhe ensinara a ir na Igreja, mas ela própria não possuía o hábito. Edgar não se importava; todas as semanas ele estava na Igreja, uma criança curiosa e quieta, com olhos atentos a tudo que o padre dizia.

O velho padre, chefe da paróquia, gostava muito de Edgar. Adorava os modos curiosos e fascinados do pequeno garoto, que prometia que seria padre quando crescesse. O velho sacerdote sempre afirmava que, para seguir uma vida cristã, não era necessário ser padre, mas viver de acordo com os princípios religiosos.

Edgar balançava a cabeça, concordando de um modo apressado, mas não mudava de ideia.

_________________________________

Edgar agora estava com doze anos. Era coroinha da Igreja, sério demais para sua idade, com poucos amigos, pois todos o achavam "esquisito demais".

Edgar não ligava.

Ele achava incrível a maneira como a religião poderia salvar vidas. Emocionara-se diversas vezes com depoimentos de pessoas dizendo o quão a fé em Deus lhes salvara de uma vida vazia e sem significado, o quão bem lhes fazia.

Agarrava-se à aquilo como um filhote faminto agarra-se ao leite da mãe para sobreviver.

Não suportava sequer pensar em uma existência sem esses elementos; sua vida já estava ligada com o sacerdócio.

Ele queria ser como os padres que iluminavam a vida daquelas pobres pessoas em desespero, lhe dando orientação e algo pelo qual lutar; ele queria poder salvar tantas almas quanto pudesse. Não conseguia pensar em uma vida melhor do que essa.

Seu coração de doze anos de idade aqueceu-se com esse pensamento.

____________________________________

Aos vinte e cinco anos, Edgar estava cheio de esperanças. 

Ainda faltava muito para ser padre, mas sentia que finalmente estava no caminho certo.

Nada era fácil, muitas vezes ele não possuía dinheiro nem para alimentar-se direito e um desânimo crescente brotava em seu peito.

Toda vez que lembrava-se disso, porém, o rosto do velho padre surgia em sua mente.

E logo ele voltava a sorrir.

_____________________________________

Edgar agora estava com trinta. 

Após tanto e tantos anos, finalmente acontecera; era um padre.

Após dificuldades familiares, financeiras, sociais, e de muitos outros tipos, conseguira conquistar aquilo pelo qual seu ser, no íntimo, sempre desejara.

Era ainda jovem, tão inexperiente, e ansioso pra mudar o mundo a seu modo.

Edgar estava feliz.

___________________________________

Edgar ainda gostava do cheiro de velas. Trinta e cinco anos ele agora tinha, e uma pequena experiência.

Aprendera muito, observara demais nesse meio tempo. Vira coisas que o revoltaram, que o  magoaram e que fizeram com que duvidasse do poder que essa instituição que tanto idolatrava possuía em salvar a vida das pessoas.

Mas Edgar não pensava em desistir; ele não estava mais com oito anos e sabia que corrupção existia em todos os cantos possíveis da terra. O que fazia diferença eram as pessoas boas, lutando pelos ideias corretos.

E ele estava determinado a ser uma dessas pessoas.

____________________________________

Edgar estava com quarenta e cinco anos. A velhice começava a demonstrar seus sinais em seu rosto cansado.

Ele continuava acreditando fervorosamente em Deus. Mas, tantas coisas ele vira, tantas coisas fizeram ele se decepcionar, que ele pensava estar cada vez menos convicto de seus ideiais.

Já era padre há quinze anos, e duvidava seriamente se conseguira salvar alguma alma em todo esse tempo.

O cheiro das velas já não importava muito para ele.

____________________________________

Os rostos severos das imagens dos santos que Edgar vira na capela gótica onde sua mãe o levara quando estava com cinco anos continuavam os mesmos, mas, no auge de seus cinquenta anos, Edgar não poderia achá-los mais diferentes.

Continuava sua vida de sacerdócio da mesma exata maneira que fazia há vinte anos. Com os mesmo sorrisos doces, com a mesma animação.

Mas já não era o mesmo.

As poucas pessoas que achava que havia conseguido salvar não significavam muito. Especialmente quando proclamavam o nome de Deus e discriminavam tudo e todos ao seu redor, com uma atitude de ódio que Edgar não saberia classificar senão como revoltante.

Afinal, que Deus gostaria que você odiasse seus irmãos porque eles são diferentes, se assim ele os criou?

Edgar, em seu íntimo, ainda gostava do cheiro das flores e das velas, e ainda acreditava na existência de um Deus. Acreditava em sua existência, mas não confiava nele.

Não confiava, pois não podia acreditar em um Deus que deixara morrer toda a fé que existira um dia em um garoto de doze anos. 

E Edgar previa que ela não fosse retornar.

Fim

P.S: se você gostou do conto e quiser postá-lo em algum lugar, fico lisonjeada. MAS antes disso, fale comigo e quando eu liberar, poste os créditos, ou teremos problemas.


2 comentários:

  1. =

    Olha eu enquanto Católico
    achei o texto lindo... rola aquela relação
    entre a o "lado religioso" e o "lado politico" que ele vivencia ne...
    adorei amor... como sempre uma obra prima !!
    sempre uma boa critica social \o

    ResponderExcluir
  2. Como eu disse, já estou imaginando um curta pra esse conto. O modo que vc abordou a mudança de ideias e como elas podem mudar ao longo da vida, dando a ideia de que nada é constante, nemaquilo que vc acredita não piamente. Até onde lutar pelo o que vc acredita e como aceitar que tudo que vc aprendeu e amou já não é tão importante assim, foram as perguntas que me veio ao lê-lo. Ótimo, sem mais.

    ResponderExcluir